Campanha Todas VACINAS
Camp. TRÂNSITO
Bewegen 970x90
CAMP. Covid REFORÇO
Partido União Brasil

Fusão de DEM com o PSL acelera saída de deputados e mudanças nos partidos em SC.

Criação do União Brasil foi anunciada nesta quarta-feira e deve selar saída de ao menos quatro parlamentares catarinenses do PSL.

POLÍTICA AGORA

POLÍTICA AGORATudo sobre o tema na região, estado, país e mundo.

07/10/2021 12h23
Por: Vitor Blemer
Fonte: NSC Total
Convenções de DEM e PSL anunciaram fusão para criar o União Brasil(Foto: Pedro Ladeira, Folhapress)
Convenções de DEM e PSL anunciaram fusão para criar o União Brasil(Foto: Pedro Ladeira, Folhapress)

O DEM e o PSL aprovaram a fusão dos partidos em convenções feitas nesta quarta-feira (6), em Brasília. O processo resulta na criação de uma nova legenda, batizada de União Brasil, que pretende usar o número 44.

A mudança ainda depende de aprovação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Uma comissão instituidora foi formada e a expectativa das lideranças é de que o novo partido seja oficializado até fevereiro. Até lá, seguem atuando separadamente, como DEM e PSL.

Apesar disso, a fusão entre os partidos deve representar mudanças na política de SC. A primeira é o próprio comando da nova legenda no Estado. Em entrevista coletiva, o presidente do DEM, ACM Neto, disse que as mudanças nos diretórios estaduais devem ser tratadas a partir de agora, mas que a divulgação oficial deve ocorrer somente após a homologação do novo partido pelo TSE.

Em SC, o DEM é presidido pelo prefeito de Florianópolis e pré-candidato a governador, Gean Loureiro, e o PSL, pelo deputado federal Fabio Schiochet. O parlamentar sinaliza que SC é um dos dois únicos estados em que o PSL seria maior que o DEM (tem 143 vereadores eleitos), mas diz que deve se reunir com Gean nos próximos dias para tratar do assunto, “sem vaidade”.

Se o comando da legenda em SC pode dividir, o discurso do presidente do PSL para 2022 já é de apoio à pré-candidatura de Gean Loureiro a governador em 2022.

– A partir de hoje o Gean é o meu pré-candidato – discursa.

Na semana passada, Schiochet já havia dito à reportagem do Diário Catarinense que, caso a fusão com o DEM se confirmasse, o nome de Gean Loureiro seria o pré-candidato a ser apoiado pelo bloco.

A reportagem procurou o presidente do DEM em SC, Gean Loureiro, para comentar a fusão, mas não obteve retorno até a publicação. Na semana passada, o prefeito de Florianópolis afirmou à reportagem que “a fusão fortalece o partido, mas não ganha eleição”, ao comentar se o movimento favoreceria uma candidatura dele próprio ao governo de SC. Gean criticou a quantidade de partidos no país e disse que “movimentos para união e diminuição do número de siglas fortalecem a democracia”.

Deputados do PSL devem deixar partido

Outra mudança na política de SC deve ser a saída de deputados estaduais e federais do PSL. A debandada de filiados mais próximos ao bolsonarismo já é contada em todo o país, e também deve ocorrer no Estado.

Dos cinco deputados estaduais do PSL, ao menos dois admitiram à reportagem que não devem continuar no partido: Jessé Lopes, que tem conversas com legendas como PTB, PL e PSC, e Felipe Estevão, que deve migrar para o PTB. Além deles, Ana Campagnolo também é citada como nome que pode migrar do PSL para os petebistas. As assesssorias de Campagnolo, Ricardo Alba e Coronel Mocellin, que está licenciado, não atenderam à reportagem até a publicação.

Entre os deputados federais, ao menos dois dos quatro parlamentares devem sair. Coronel Armando admite que deve migrar para o partido que o presidente Jair Bolsonaro se filiar. Daniel Freitas já confirma que deixará o PSL, mas diz que a definição do novo destino também depende da escolha de Bolsonaro. Já teve conversas com PTB e PL. Caroline de Toni informou que ainda não há decisão tomada.

O presidente do PSL em SC diz que convidou os três deputados federais a seguirem no partido, mas dá praticamente como certa a saída dos colegas de bancada.

– Eles já estavam procurando outro caminho. Fiz convite para ficarem uma vez que, quem lê o estatuto do novo partido, vê que ele é de direita. Hoje temos dois ministros desse novo partido no governo Bolsonaro: Onyx Lorenzoni e Tereza Cristina. Então não vejo que vá interferir, não é um partido de oposição ao governo – defende.

Inicialmente, os deputados que já pretendiam deixar o PSL antes mesmo da fusão teriam de fazer isso na janela partidária, seis meses antes da eleição. Com a fusão, no entanto, deve se abrir outra janela, anterior a esse período, para a saída dos integrantes que não concordarem com a incorporação dos partidos, o que pode acelerar a saída de parlamentares catarinenses do PSL.

União Brasil deve ter maior bancada da Câmara

Com a fusão aprovada pela Justiça Eleitoral, o União Brasil nasce como o partido com a maior bancada na Câmara Federal, com 83 deputados, e a quarta maior do Senado, com oito nomes.

No entanto, há possibilidade de que parte da bancada do PSL, que hoje é responsável por 53 parlamentares na Câmara, deixe o partido por serem apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e temerem um distanciamento da nova legenda ao bolsonarismo.

Nas convenções desta quarta, o ministro do Trabalho, Onyx Lorenzoni (DEM), tentou fazer com que os partidos já decidissem sobre um apoio à reeleição do presidente Jair Bolsonaro em 2022, ou ao menos sobre a liberação de apoio a candidato que não seja apoiado oficialmente pelo partido, mas os dois pedidos foram rejeitados.

O ex-prefeito de Salvador, presidente do DEM e futuro secretário-geral do União Brasil, ACM Neto, considerou que “ainda não chegou o momento para que o partido possa decidir sobre as eleições de 2022”. Apesar disso, lideranças admitem uma possibilidade de candidatura própria do novo partido à corrida presidencial.

A presidência do partido deve ficar com o atual presidente do PSL, Luciano Bivar, que entrou em rota de colisão com Bolsonaro em 2019. O DEM trabalha para manter entre os filiados o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que tem convite para se filiar ao PSD e concorrer à Presidência da República, além de buscar atrair novos quadros para o União Brasil. São cotados nomes como o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) e o atual govenador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo).

A fusão foi buscada pelos partidos como forma de unir trunfos como o robusto fundo eleitoral, partidário e tempo de televisão do PSL, depois do fenômeno da onda Bolsonaro em 2018, que fez o partido até então nanico eleger a segunda maior bancada da Câmara, à história e lideranças do DEM. O partido, ainda sob o nome de PFL, chegou a ter a maior bancada do Congresso nos anos 1980 e 1990, mas que perdeu fôlego nos últimos anos.

Continua depois da publicidade:

FIQUE POR DENTRO DE TUDO

QUE ACONTECE EM TEMPO REAL,

CLIQUE AQUI AGORA  

TENHA TUDO NO SEU WHATSAPP!

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Jaraguá do Sul - SC
Atualizado às 00h50
16°
Muitas nuvens Máxima: 25° - Mínima: 15°
16°

Sensação

5.6 km/h

Vento

85.4%

Umidade

Fonte: Climatempo
JF DIESEL
Cia das Piscinas
IN BOX 300X600
Renovee Energia Sola
HC Hornburg
Fachini 300x250
Pedra Flor 300x250
HC Hornburg
Renovee Energia Sola
JF DIESEL 300X250
IN BOX 300X250
Pedra Flor 300x250
Municípios
Pedra Flor 300x250
JF DIESEL 300X250
IN BOX 300X250
Fachini 300x250
INFO CAMPE
Últimas notícias
Fachini 300x250
IN BOX 300X250
Livratto
Pedra Flor 300x250
Mais lidas
Pedra Flor 300x250
IN BOX 300X250
Fachini 300x250
IN BOX 300X250
Fachini 300x250
Pedra Flor 300x250