Campanha Setembro Amarelo
Bewegen 970x90
Campanha Pref JGS Combate ao Fumo
Obesidade infantil

Obesidade infantil já afeta milhões de crianças no Brasil. Saiba como combater.

O sobrepeso atinge 15% das crianças de até 5 anos. Na faixa de 5 a 9 anos e entre os adolescentes, a porcentagem foi de 31%.

23/08/2021 11h22
Por: Vitor Blemer
Fonte: Metrópoles
FOTO: Divulgação
FOTO: Divulgação

No Brasil, há um total de 6 milhões de crianças com excesso de peso. Coletado pelo Ministério da Saúde por meio de atendimentos infantis realizados nas unidades básicas de saúde (UBS), o dado chamou a atenção da pasta, que lançou a Campanha Nacional de Prevenção à Obesidade Infantil.

Os números mostram ainda que o sobrepeso atinge 15% das crianças de até 5 anos. Na faixa de 5 a 9 anos e entre os adolescentes, a porcentagem é ainda maior: 31%.

Maria Alvim, pesquisadora do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Universidade de São Paulo (Nupens/USP), ressalta que a obesidade já é problema de saúde pública global. Para crianças, as consequências são ainda maiores. “Aumenta o risco de adquirir precocemente doenças crônicas como diabetes, distúrbios de sono, hipertensão e até alguns tipos de câncer“, explica.

“São doenças que a gente só discutia com adultos. Temos visto, no entanto, que isso acontece com crianças e pode resultar também no adoecimento precoce, na mortalidade precoce, por conta dos excessos, e em uma redução na qualidade de vida”, avalia a especialista.

O Ministério da Saúde assinou duas portarias que destinam R$ 90 milhões para ações de combate ao problema. A primeira delas institui a Estratégia Nacional de Prevenção e Atenção à Obesidade Infantil (Projeta), para desenvolver iniciativas nos estados, nos municípios e no DF.

A segunda portaria libera três parcelas de R$ 31,9 milhões, durante três anos, para cidades de até 30 mil habitantes que registraram sobrepeso em mais de 15% das crianças menores de 10 anos. “Os municípios que se encaixarem nos critérios estipulados pelo texto podem fazer adesão ao incentivo financeiro a partir de 17 de agosto”, informou o ministério.

A influência da pandemia

Para o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o fato de as crianças estarem fora da escola e em isolamento social, por conta da pandemia de Covid-19, pode ter contribuído para o ganho de peso.

“As crianças diminuíram o deslocamento ativo, os exercícios físicos e a interação com outras crianças, e aumentou muito o tempo de tela”, declarou Queiroga. “Os pais devem incentivar esse gasto de energia e, se for fora de casa, que seja consciente, com máscara e álcool”, pontuou Maria Alvim, reforçando a fala do ministro.

De acordo com um estudo divulgado pela SuperAwesome, empresa americana de tecnologia em mídia digital, crianças entre 6 e 12 anos passaram cerca de 50% do tempo de quarentena em frente às telas, ou seja, metade do dia. Os pesquisadores afirmam que o tempo gasto com celulares, tablets, computadores e a boa e velha TV aumentou entre duas e três vezes, em relação ao consumo habitual.

Classe social

Segundo o conselho fiscal da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, a obesidade é também relacionada à classe social. Apesar de o número ter crescido em todas as faixas salariais, as mais baixas apresentaram índices mais alarmantes. As classes C, D e E tiveram, cada uma, crescimento de 5 pontos percentuais no nível de obesidade. Em relação à quantidade, a classe C representa a maior parcela da população obesa, com 23%. Na classe A, a alta foi menor, de 2 pontos percentuais, e chegou a 16% do total.

“As classes socioeconômicas mais baixas são mais suscetíveis às propagandas dos alimentos. As pessoas têm menos noção do prejuízo”, diz Maria Alvim. De acordo com a pesquisadora, a questão da praticidade também é muito vendida pelo marketing e “pessoas com muito tempo de deslocamento para chegar no trabalho, por exemplo, optam pela facilidade”.

O bullying como fator

A psicopedagoga Wania Emerich Burmester afirma que, para uma criança aprender de forma saudável e ativa, é necessário que ela esteja bem, e que esteja saudável no aspecto emocional e no físico. “A obesidade afeta a autoestima da criança e isso com certeza afeta a aprendizagem. Afinal, o aluno fica mais inibido, pergunta menos, já que quer se expor menos.”

Além disso, a especialista explica que a situação acaba virando uma “bola de neve”. “Ela tem uma perda em todos os âmbitos, e, conforme isso vai ficando mais intenso, é mais difícil lidar, vai aumentando a ansiedade e ela não consegue se controlar”, acrescenta.

Wania Emerich informa ainda que é importante que esse trabalho seja feito de uma maneira constante e que deveria haver um plano escolar para evitar o bullying. “Ter rodas de conversas, um diálogo bem estabelecido dentro das escolas, que os alunos possam falar sobre as suas ansiedades, questões e angústias. Isso acaba mostrando que todo mundo tem o seu ponto fraco e problemas.”

FIQUE POR DENTRO DE TUDO

QUE ACONTECE EM TEMPO REAL,

CLIQUE AQUI AGORA  

TENHA TUDO NO SEU WHATSAPP!

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Jaraguá do Sul - SC
Atualizado às 10h44
26°
Poucas nuvens Máxima: 29° - Mínima: 18°
27°

Sensação

7.3 km/h

Vento

61.3%

Umidade

Fonte: Climatempo
Renovee Energia Sola
JF DIESEL
Grão de Gente 300x600
Cia das Piscinas
HC Hornburg
Ig Energia
Grão de Gente 300x250
Fachini 300x250
HC Hornburg
JF DIESEL 300X250
Pedra Flor 300x250
Lar dog lar
Prática
Renovee Energia Sola
Pedra Flor 300x250
Municípios
Pedra Flor 300x250
INFO CAMPE
Fachini 300x250
SOS Cidadão
Grão de Gente 300x250
JF DIESEL 300X250
Últimas notícias
Pedra Flor 300x250
Fachini 300x250
Rodízio em Casa Jaraguá
Livratto
Grão de Gente 300x250
Mais lidas
Grão de Gente 300x250
Fachini 300x250
Pedra Flor 300x250
Grão de Gente 300x250
Fachini 300x250
Pedra Flor 300x250