Bewegen 970x90
Camp. Pref. JGS Covid Jul/Ago 21
Você viu na SC News
Campanha pref JGS - ANIVERSÁRIO JGS
CPI da pandemia

Ex-diretor da Saúde é preso acusado de mentir à CPI da Covid. VEJA O VÍDEO:

Segundo o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), Roberto Ferreira Dias cometeu "perjúrio" ao negar que havia combinado um encontro com o policial militar Luiz Paulo Dominghetti.

POLÍTICA AGORA

POLÍTICA AGORATudo sobre o tema na região, estado, país e mundo.

07/07/2021 19h48
Por: Vitor Blemer
Fonte: Estadão
O ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, durante depoimento à CPI Foto: Gabriela Bilo/Estadão
O ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, durante depoimento à CPI Foto: Gabriela Bilo/Estadão

BRASÍLIA - O ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias saiu preso da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. Segundo o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), Dias cometeu "perjúrio"  em seu depoimento, nesta terça-feira, 7, ao negar que havia combinado um encontro com o policial militar Luiz Paulo Dominguetti, que o acusou de pedir propina para vender vacinas ao governo. Dias será levado à Polícia Federal, onde ficará detido.

Em seu depoimento, Dias disse que conheceu o policial após ele aparecer em um restaurante de um shopping de Brasília em que jantava com um amigo. Na versão do ex-diretor, o encontro não havia sido agendado e Dominguetti se juntou à mesa porque estava acompanhado de Marcelo Blanco, ex-assessor do Ministério da Saúde. O policial, então, se apresentou como representante da empresa Davati Medical Supply e disse que gostaria de fechar negócio com o governo para vender 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca.

A quebra de sigilo do celular de Dominguetti, porém, sugere que o encontro não foi por acaso, como afirmou Dias, mas estava  previamente combinado. Em mensagens de áudio, divulgados pela CNN Brasil, o policial já tratava do encontro dois dias antes.  A um interlocutor identificado como Rafael, o PM mencionou, no dia 23 de fevereiro,  o encontro, que aconteceu no dia 25. "Rafael, tudo bem? A compra vai acontecer, tá? Estamos na fase burocrática. Em off, pra você saber, quem vai assinar é o Dias mesmo, tá? Caiu no colo do Dias... E a gente já se falou, né? E quinta-feira a gente tem uma reunião para finalizar com o Ministério". Roberto Dias alega que encontrou Dominguetti por acaso, sem ter agendado.

VEJA O VÍDEO:

“Não aceito que a CPI vire chacota. Temos 527 mil mortos e os caras brincando de negociar vacina. Por que não teve esse empenho para comprar Pfizer naquela época. Ele está preso por perjúrio. Nós não estamos aqui para brincar e ouvir historinha de servidor que pediu propina”, afirmou Aziz, ao justificar sua ordem de prisão. 

O Código Penal, em seu artigo 342, classifica o crime de perjúrio como ato de fazer afirmação falsa em investigação como crime punível com reclusão de dois a quatro anos e multa. Segundo senadores, porém, ele poderá pagar uma fiança para deixar a cadeia. "Esse crime é afiançável. Você responde em liberdade e é isso que deve acontecer", afirmou a senadora Simone Tebet (MDB-MS), que foi contrária ao pedido de prisão, mas disse que Aziz "teve seus motivos."

Na CPI, Dias também negou ter pedido vantagens, como relatado a Dominghetti. Em depoimento à comissão, na semana passada, o policial disse que Dias pediu propina de US$ 1 por dose na compra de 400 milhões de unidades da vacina. Dominguetti já havia feito a mesma acusação em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. Ele não comprovou a acusação. A AstraZeneca, por sua vez, nega que a Davati tenha autorização para vender a vacina.

O ex-diretor foi demitido do cargo na semana passada, após a acusação sobre pedido de propina. Durante a sessão, o presidente da CPI afirmou que Dias "se preparou" pois sabia que poderia deixar o cargo. "O senhor sabe que o senhor fez um dossiê para se proteger. Eu estou afirmando, eu não estou achando. Nós sabemos onde está esse dossiê, e com quem está. Não vou citar nomes para que a gente não possa atrapalhar as investigações", disse o parlamentar.

Aziz declarou ao Estadão que a CPI ainda não teve acesso ao documento, mas reforçou a avaliação de que Dias tem provas do envolvimento de outras pessoas em negociações suspeitas por vacinas. "Ele se preparou para sair. Quando estava sendo perseguido, fez um dossiê e entregou para uma pessoa fora do País. Ele tem muitos documentos, se preparou, deve ter e-mail, pedido, coisa parecida".

Militares

No seu depoimento, Dias também responabilizou o coronel Elcio Franco, ex-número 2 da pasta na gestão do general Eduardo Pazuello,  por todo o processo de negociação para aquisição da Covaxin, vacina indiana contra o coronavírus. A compra do imunizante é investigado após um servidor da pasta apontar suspeitas de irregularidades, como pressão de superiores para acelerar a compra e a tentativa de pagamento antecipado.

"No âmbito da covid-19, todas essas tratativas foram feitas exclusivamente na Secretaria-Executiva", disse Dias. O ex-diretor, que é ligado ao atual líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (Progressistas-PR), foi demitido na semana passada em meio às suspeitas de corrupção na pasta.

No depoimento, Dias citou que Elcio centralizou as negociações de vacinas no início do ano. Como revelou o Estadão, em 29 de janeiro, Elcio, que era secretário-executivo do ministério, enviou ofício a 16 secretarias e diretorias do ministério, dando ciência sobre a concentração das ações.

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), anunciou que o colegiado vai convocar novamente Elcio Franco para depor e também sugeriu uma acareação com Dias. O ex-secretário já havia sido ouvido no início de junho, antes do colegiado focar em irregularidades na compra da vacina indiana.

Para o relator, embora haja suspeitas sobre Elcio, Dias não foi convincente ao dizer que não participava do processo de negociação de vacinas. "As mensagens de e-mails e atuação dos vendedores de vacina demonstram que ele participava das negociações diretamente. O depoente, inclusive, recebeu proposta de venda de vacinas para o governo federal por e-mail e, depois, entrou em contato diretamente com o empresário para tratar do assunto", disse o relator.

FIQUE POR DENTRO DE TUDO

QUE ACONTECE EM TEMPO REAL,

CLIQUE AQUI AGORA  

TENHA TUDO NO SEU WHATSAPP!

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Jaraguá do Sul - SC
Atualizado às 19h38
11°
Muitas nuvens Máxima: 20° - Mínima: 10°
11°

Sensação

8.9 km/h

Vento

87.6%

Umidade

Fonte: Climatempo
HC Hornburg
Grão de Gente 300x600
Cia das Piscinas
Renovee Energia Sola
Pedra Flor 300x250
Renovee Energia Sola
Prática
HC Hornburg
Grão de Gente 300x250
Pedra Flor 300x250
Fachini 300x250
Lar dog lar
Ig Energia
Municípios
Fachini 300x250
INFO CAMPE
Pedra Flor 300x250
Grão de Gente 300x250
SOS Cidadão
Últimas notícias
Rodízio em Casa Jaraguá
Fachini 300x250
Pedra Flor 300x250
Grão de Gente 300x250
Livratto
Mais lidas
Grão de Gente 300x250
Pedra Flor 300x250
Fachini 300x250
Pedra Flor 300x250
Fachini 300x250
Grão de Gente 300x250