Bewegen 970x90
Bewegen 970x90
Bewegen 970x90
Você viu na SC News
Onde está Adelino?

Mistério: família procura há 23 anos por agricultor que sumiu em SC.

Adelino Munsio Companhoni desapareceu em 1997, na linha Bento, em Cordilheira Alta; casa que ele morava ainda tem alguns de seus pertences.

FATOS E FOFOCAS

FATOS E FOFOCASTudo sobre o mundo dos famosos em um só lugar!

16/04/2021 17h55
Por: Vitor Blemer
Fonte: ND Mais
Foto divulgação.
Foto divulgação.

Foi em um domingo do ano de 1997 que o agricultor Adelino Munsio Companhoni, na época com aproximadamente 60 anos, percorreu pela última vez o trajeto de um bar até a sua casa na linha Bento, no município de Cordilheira Alta, no Oeste de Santa Catarina.

Cerca de 23 anos depois, a família ainda aguarda respostas sobre o paradeiro do agricultor, que completaria 83 anos no dia 21 de abril de 2021. A casa que ele morava, um grande casarão centenário, ainda tem móveis e roupas deixados por Adelino e trazem ainda mais mistério à história.

Adelino desapareceu aos 60 anos de idade e completaria 83 anos em 2021. - Arquivo Pessoal/Reprodução/ND

Há 23 anos família ainda não tem respostas sobre o misterioso desaparecimento do agricultor. - Arquivo Pessoal/Reprodução/ND

Família Companhoni - Arquivo Pessoal/Reprodução

João Beleboni, de 77 anos, foi o último a ver Companhoni. Eles foram juntos ao bar que ficava cerca de mil metros da casa dos dois. O dia e o mês exatos do desaparecimento fogem da memória de Beleboni, mas a recordação e a saudade permanecem vivas.

“Lembro que aquele domingo a gente estava no bar jogando baralho e por volta das 22h ele me convidou para irmos embora. Éramos vizinhos, mas  eu morava uma casa antes da dele. Me despedi e ele seguiu e depois daquela noite nunca mais foi visto”, conta Beleboni que é casado com Deolinda Beleboni, de 80 anos, prima de primeiro grau de Adelino.

Primos do agricultor Adelino Companhoni que desapareceu em Cordilheira Alta

Deolinda e o esposo João Beleboni, primos de Adelino. – Foto: Caroline Figueiredo/ND

Por ter sido o último a ver Adelino, na época do desaparecimento, Beleboni chegou a ser interrogado pela polícia como suspeito. “Passei mais de um mês indo na delegacia para explicar o que tinha acontecido. Jamais eu faria algo com ele, tanto que não tiveram provas para isso”, disse.

Mais de duas décadas de espera

A casa que Adelino morava fica em uma área de cerca de 425 mil metros quadrados construída em meados de 1920. Nas terras, ele cultivava milho, feijão e criava suínos e gado. Pelos familiares e amigos era conhecido como um homem trabalhador e companheiro de todos. Nunca se ouviu falar de qualquer mal entendido que tivesse envolvido o agricultor.

Nas grandes portas e janelas do casarão antigo estão gravadas as memórias de uma família querida na região. Junto com o pai Luiz João Munsio Companhoni e a mãe Ângela Madalena Magioni Companhoni, Adelino e outros nove irmãos viveram boa parte da vida.

Hoje estão vivos apenas Hilário Companhoni, de 75 anos, que mora no interior de São Lourenço do Oeste, e a irmã Hortenila Companhoni, de 80, que vive no município de Ampere, no Paraná. As lembranças e a saudade do irmão, que nunca teve um paradeiro, acompanham Hilário que por muito tempo procurou por pistas que levassem até Adelino.

Casa onde morava o agricultor Adelino Companhoni que desapareceu em Cordilheira Alta

Casa que Adelino morava ainda tem pertences do agricultor. – Foto: Caroline Figueiredo/N

Perguntas sem respostas

“Estamos até hoje sem respostas concretas. Não foi encontrado um corpo, nem mesmo indícios de onde ele estaria. Acredito que alguém o pegou e matou, mas isso nós nunca tivemos a certeza”, diz o irmão mais novo de Adelino.

Ao lado do cunhado, Clair Breancini, de 54 anos, que também mora na linha Bento, Hilário caminhou quilômetros atrás de pistas sobre o irmão. Matas, rios, estradas. Tudo foi minuciosamente percorrido para tentar encontrar vestígios que levassem ao paradeiro. Mas, 23 anos depois, as perguntas ainda permanecem sem respostas.

Amigo do agricultor Adelino Companhoni que desapareceu em Cordilheira Alta

Clair Breancini ajudou a procurar pelo agricultor, mas sem sucesso. – Foto: Caroline Figueiredo/ND

“Ele fumava e nem mesmo bitucas de cigarro ou rastros de passos foram encontradas. Ficou um ponto de interrogação na nossa cabeça. Procuramos por mais de seis meses por ele, fomos na polícia, mas nada foi esclarecido”, reafirma Brancini.

Vestígios de história inacabada

A casa que o agricultor morava ainda tem vestígios de sua passagem. Alguns móveis permanecem desde o desaparecimento. Camas, guarda-roupas, cadeiras, sofás, freezer, fogão e até mesmo roupas do agricultor ficaram para trás. O tempo destruiu muitas coisas, mas a saudade ainda se faz presente no grande casarão.

Tantos anos depois, a casa já foi alvo de vândalos que já destruíram muitas coisas. Outras, no entanto, foram levadas por familiares, mas muitos dos pertences de Adelino permanecem no mesmo local, como se esperassem pela volta do agricultor.

A poeira sobre os móveis, os vidros quebrados, as portas arrombadas, as teias de aranha e até mesmo rastros de animais como ratos e raposas, demonstram o abandono do lugar.

Veja fotos do interior da casa:

Roupas que Adelino usava estão degradadas pelo tempo. - Caroline Figueiredo/ND

Pertences pessoais do agricultor ficaram pela casa. - Caroline Figueiredo/ND

Alguns móveis da casa são os mesmos que Adelino usava. - Caroline Figueiredo/ND

Alguns utensílios da casa permanecem os mesmos de quando Adelino morava na residência. - Caroline Figueiredo/ND

Em um dos quartos, é possível encontrar um dos pares do sapato e um cinto que ele usava. Em outro, roupas corroídas pelo tempo. Em uma das camas os lençóis e cobertores ficaram jogados. Indícios de uma história inacabada que se tornou um grande mistério. Para onde foi Adelino Companhoni?

Cômodos da casa relembram também a religiosidade da família. Imagens de santos marcam a fé dos Companhoni. Adelino não teve esposa, nem mesmo filhos. As únicas recordações ficaram com os irmãos, primos e sobrinhos que até hoje aguardam um desfecho para a história.

A propriedade rural da família Companhoni está em inventário e ainda aguarda um desfecho judicial.

O que diz a polícia?

A família afirma que na época do desaparecimento a polícia ajudou nas buscas, mas que nenhuma resposta foi dada. De acordo com o delegado da PC (Polícia Civil), Wanderley Redondo, titular da DPPD (Delegacia de Polícia de Pessoas Desaparecidas) nada consta sobre o desaparecimento de Adelino nos registros policiais.

Segundo ele, antes de 2005, o registro de casos de pessoas desaparecidas ficava no computador da delegacia no município e não migraram para o sistema integrado.

O agente policial Graan Wincler, que trabalhava na delegacia municipal de Cordilheira Alta no ano de 1997 relatou que não recorda do nome e nem mesmo do desaparecimento do agricultor. O atual agente policial da delegacia no município, Pompílio Claro da Costa, informou que não identificou nenhum registro da época do desaparecimento.

A reportagem tentou encontrar policiais militares que trabalhavam em Cordilheira Alta em 1997, mas não obteve retorno da corporação da PM (Polícia Militar) até às 16h desta sexta-feira (16).

FIQUE POR DENTRO DE TUDO

QUE ACONTECE EM TEMPO REAL,

CLIQUE AQUI AGORA  E

TENHA TUDO NO SEU WHATSAPP!

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
CHAPECÓCHAPECÓ - SC
Jaraguá do Sul - SC
Atualizado às 04h24
15°
Pancada de chuva Máxima: 20° - Mínima: 14°
15°

Sensação

6.9 km/h

Vento

88.9%

Umidade

Fonte: Climatempo
60 SABORES
Cia das Piscinas
Grão de Gente 300x600
HC Hornburg
Eccel Barber 300x600
Lar dog lar
Premium Host
Pedra Flor 300x250
Prática
Pedra Flor 300x250
Anúncio Solidário 01 Cocadas Gourmet
HC Hornburg
Grão de Gente 300x250
60 SABORES 300x250
Ig Energia
Barbearia e Tatoo
MATRIZES PARA BORDAR - B I K TECNOLOGIA!
Anúncio Solidário 02 Pinturas Kchechik
Eccel Barber 300x250
Fachini 300x250
Municípios
SOS Cidadão
Marreco Recheado
Kairós Consórcios
4 Rodas Lavação
Eccel Barber 300x250
Pedra Flor 300x250
60 SABORES 300x250
Gilberto Paraíba
Bela sempre
Fachini 300x250
Espaço Equilibrium
INFO CAMPE
Grão de Gente 300x250
Premium Host
Últimas notícias
Dcor life
VR Moto Peças
Mateus Bueno
Eccel Barber 300x250
Livratto
Bio Moda Fitness
Econonise
Pedra Flor 300x250
Rodízio em Casa Jaraguá
Elis Sinara
Fachini 300x250
Grão de Gente 300x250
60 SABORES 300x250
Greens
Mais lidas
Pedra Flor 300x250
Grão de Gente 300x250
Máscaras 100% algodão
60 SABORES 300x250
Pães e bolos
Eccel Barber 300x250
Fachini 300x250
Fachini 300x250
Eccel Barber 300x250
60 SABORES 300x250
Premium Host
Pedra Flor 300x250
Grão de Gente 300x250